“A Caipirinha”, de Tarsila do Amaral (1886-1973).

Confiscada pela Justiça de um empresário falido, a obra “A Caipirinha”, de Tarsila do Amaral (1886-1973), será colocada à venda nas próximas semanas por um preço de R$ 42,5 milhões. O pagamento, segundo a decisão da juíza Melissa Bertolucci, deve ser feito à vista.

A tela é considerada como um dos ícones do movimento modernista. Foi feita por Tarsila em 1923, um ano após a Semana de Arte Moderna. “A Caipirinha” pertencia ao empresário Salim Taufic Schahin, envolvido no escândalo da Lava Jato. Ele era um dos sócios do grupo Schahin, que faliu em março de 2018, com dívidas estimadas em R$ 6,5 bilhões.

Desde 2015, Salim é alvo de um processo de cobrança por parte de 12 bancos, entre os quais o Itaú e o Bradesco, que exigem o pagamento de uma dívida avaliada hoje em cerca de R$ 2,3 bilhões. A obra de Tarsila do Amaral, assim como outros bens de Salim, foi penhorada nesse processo e o valor obtido pela venda será utilizado para minimizar o prejuízo dos bancos.

Carlos Schahin, filho do empresário, tentou impedir o confisco da tela, alegando que comprou o quadro do pai em 2013, antes mesmo da cobrança feita pelos bancos. Como prova, apresentou um instrumento particular de compra e venda segundo o qual pagou R$ 240 mil ao pai na ocasião. A Justiça considerou que o negócio foi uma simulação.

O perito Cezar Roberto Olandim avaliou o quadro em R$ 42,5 milhões.


Site desenvolvido por Agência Clig