Profissionais de saúde que atuam na Unidade Covid do município de Quixadá.

O boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (29) pela Secretaria de Saúde de Quixadá mostra que 370 pessoas estão em monitoramento domiciliar. São pacientes que foram examinados pelas equipes de saúde do município e que manifestam sintomas típicos do novo coronavírus.

Mas o número pode ser ainda menor. Conforme explicado ao DQ pela secretária de saúde, Juliana Câmara, esse grupo inclui também pessoas que, apesar de manifestarem sintomas, podem estar sem o vírus. Por segurança, mesmo após realizarem exames e obterem resultado negativo, alguns pacientes com sintomas mais fortes recebem a recomendação médica de cumprir quarentena.

É que pode acontecer o chamado falso negativo, quando a pessoa possui o vírus e, mesmo assim, por uma série de fatores, tem um resultado diferente na hora do exame. Segundo os profissionais de saúde, o mais apropriado nos casos em que a avaliação clínica sugira um diagnóstico diferente do que aparece no exame rápido, é que a avaliação clínica tenha prioridade.

Em Quixadá já aconteceu algumas vezes de exames rápidos darem negativo e exames mais elaborados, feitos no mesmo dia e enviados ao Laboratório Central do Ceará (Lacen), darem positivo para o coronavírus. Por isso, a avaliação clínica é soberana em relação ao teste rápido. O que determina se alguém permanecerá em quarentena é, portanto, o conjunto de sintomas.

Na verdade, mesmo aqueles que não se submeteram a consultas médicas, mas que estão com sintomas característicos da covid-19, devem ficar em quarentena.

Ainda segundo o boletim, 15 pacientes com sintomas mais graves permanecem internados. O município tem capacidade para 40 internações temporárias de enfermaria, com 10 respiradores. Até agora, não houve colapso.

Desde que a pandemia começou, 2.189 pessoas já tiveram resultado positivo para covid-19 em Quixadá. Deste grupo, 1.754 são consideradas recuperadas da doença.


Site desenvolvido por Agência Clig