Sergio Moro, Ministro da Justiça.

A troca de mensagens publicada pelo Intercept Brasil neste domingo (9) revela uma relação promíscua e corrupta entre o então juiz Sergio Moro e o procurador da força-tarefa da Lava Jato Deltan Dallagnol. As conversas evidenciam influências de Moro na Lava Jato e antecipação de informações de Dallagnol ao ex-juiz, transparecendo um esforço conjunto para condenar, sobretudo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Essa é a avaliação do desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo Alfredo Attiê, presidente da Academia Paulista de Direito. Para ele, o caso é “extremamente grave” e coloca o sistema Judiciário em descrédito, no Brasil e no mundo. O jurista afirma que é importante que o presidente Jair Bolsonaro se pronuncie, no sentido de preservar a legalidade, e que os órgãos de controle investiguem imediatamente a ação de Sergio Moro. O ex-juiz Moro diz não ver nada de mais.

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil recomendou, nesta segunda-feira (10/6), que o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol peçam afastamento dos cargos públicos que ocupam, especialmente para que as investigações corram sem qualquer suspeita. A OAB se refere à divulgação das conversas de ambos, publicadas no domingo pelo site The Intercept Brasil, do jornalista americano Glenn Greenwald, que ficou mundialmente conhecido após trabalhar no caso dos vazamentos de documentos da NSA por Edward Snowden, em 2013. Por sua colaboração ao jornalismo mundial, ele ganhou um Pulitzer, prêmio máximo do jornalismo mundial.


Site desenvolvido por Agência Clig