Ala João da Sapataria mantém proximidade com o médico bolsonarista Ricardo Silveira desde 2012, quando fizeram campanha juntos para eleger o “João 10”.

O blog e a rádio sob controle da família do médico bolsonarista Ricardo Silveira, em Quixadá, continuam mantendo absoluto silêncio sobre os fatos denunciados pelo empresário Igor Cristino ao Ministério Público e à Polícia Civil, na última semana de novembro. 

O delator entregou às autoridades, com documentos e vídeos, informações sobre um esquema de corrupção durante o governo João da Sapataria, nos anos 2013 a 2016, que teria sangrado os cofres públicos do município durante todo aquele período, em montantes de milhões de reais.

Apesar da gravidade do que chegou ao conhecimento público, aqueles a serviço dos interesses da família Silveira continuam focados em visitar banheiros públicos, na rodoviária e no mercado, para detectar se as torneiras funcionam. Depois transformam isto em escândalo. 

Mas o silêncio mantido por eles em relação à monumental corrupção dos aliados políticos faz muito barulho. Mais do que supõem. 

É na candidatura de Ricardo Silveira que os ex-integrantes do governo João guardam esperanças de retornar ao comando da máquina pública quixadaense. São ex-secretários, ex-assessores e uma penca de gente que, desprezando toda responsabilidade fiscal, foi aglutinada na prefeitura naqueles anos de desastre administrativo. E que hoje enchem a boca para criticar a gestão atual. Loucos para voltar ao lugar de onde o povo os expulsou em 2016. 

As mídias da família Silveira querem promover o seu “menino do berço de ouro”. Não pode se dar ao luxo de sacrificar no altar do jornalismo sério o apoio da barafunda que apoiou a antiga administração. Precisa dela. Quer o voto dela. Ainda mais num cenário em que a oposição ao atual governo míngua a cada dia e está dividida. 

Coincidência ou não, dias antes de estourar as denúncias de Igor Cristino, circulou a informação de que a ala João da Sapataria estava se articulando para emplacar o ex-secretário Valentim de Freitas como futuro gestor na pasta da educação de um governo sob Ricardo Silveira. Em troca, daria seu apoio ao pré-candidato. 

Depois de aparecer em vídeo contando dinheiro de propina, parece claro que Valentim de Freitas saiu da mesa de negociações. O rio vai ter que contornar essa pedra para chegar ao mar. Ao que tudo indica, um mar de corrupção.

O silêncio está perfeitamente explicado. 


Site desenvolvido por Agência Clig