Gooldemberg Saraiva é editor do Diário de Quixadá.

Não é a primeira vez que recebo ameaças de morte em razão daquilo que escrevo. O Relatório Anual de Violações à Liberdade de Expressão de 2016, publicado pelo ARTIGO 19, organização nascida em Londres em 1987 e dedicada à defesa da liberdade de expressão e do direito ao amplo acesso à informação no mundo, listou meu nome entre os comunicadores brasileiros que já receberam ameaças do tipo.

Hoje, num grupo de Whastapp intitulado “Endireita Quixadá”, indivíduos que apoiam o Deputado Federal Jair Bolsonaro, revoltados com uma publicação que fiz sobre a provável candidatura do youtuber André Fernandes ao parlamento cearense, fizeram observações claramente criminosas, de cunho calunioso, injurioso e difamatório, inclusive contendo ameaça de morte. Um deles chega a falar sobre dar um tiro em minha boca.

Toda ameaça gera certa preocupação, pois é óbvio que algumas pessoas não sabem travar o combate das ideias no ambiente do diálogo democrático e se rendem a instintos primitivos, violentos.

Como fiz antes, registrarei um Boletim de Ocorrências na Delegacia de Polícia Civil e levarei o fato ao conhecimento do Ministério Público. Não é aceitável que a liberdade de expressão e de imprensa seja tolhida desta forma. Também não é tolerável, num ambiente em que as leis devem vigorar, que pessoas façam ilações criminosas, destinadas a manchar a reputação e a honra de outros, bens protegidos pela Constituição Federal, sem sofrer as consequências legais.

Trato a todos com respeito e tento dialogar num espírito de tolerância e de aceitação das diferenças. Espero o mesmo tratamento e não pretendo parar de fazer o que faço, não importa quão grande seja o espírito de intolerância e a ausência de civilidade. É nobre não desistir da liberdade de afirmar com respeito os próprios pensamentos.


Site desenvolvido por Agência Clig