Discurso vencido

Quixadá.

Os opositores mais barulhentos de Ilário Marques diziam que, afastado do cargo, ele jamais conseguiria voltar. Praticaram terrorismo de informação o tempo inteiro; e ainda o fazem, como na última semana, quando criaram uma fake news atribuída ao O Povo, dizendo que o gestor quixadaense havia sido novamente afastado. Para vergonha geral destes meninos, o próprio jornal desmentiu a notícia falsa para todo o Estado.

Tentaram cassar o mandato do vencedor das eleições de 2016, criando uma peça jurídica absolutamente infantil, com argumentos tão bobos que impressionavam pela ousadia contra a inteligência jurídica do parlamento e de qualquer lugar que preze pelo mínimo de respeito à legislação. A autora? Flávia Cabral, advogada da campanha do médico Ricardo Silveira, no último pleito eleitoral. Nem disfarçar conseguem. Não é preciso dizer que falharam.

Atacaram, também, o parlamento local, afirmando que a corrupção havia sido injetada em seu interior, depois que o vereador Guto da Glaudiesel, de quem se tornaram inimigos políticos, foi afastado do cargo. Diziam que ele jamais voltaria a exercer suas atribuições. Nesta quarta-feira, 19, a justiça mandou Guto voltar. O discurso dos opositores falhou de novo. Mas eles nada disseram ao seu público. Fingiram descaradamente que nenhuma decisão restabelecendo o mandato do vereador havia sido tomada pela justiça.

E mais: durante o período de interinidade, calaram-se sobre os problemas da cidade e passaram a tratar o gestor temporário com luvas de pelica. Fecharam os olhos para o desmantelo que foi implantado na cidade e que destruiu um ano de esforços administrativos em apenas três meses. A cidade, como sinal maior do tipo de fajutice a que estava entregue, ficou entupida de lixo. Mas eles se associaram ao governo interino, passaram a fazer indicações de secretários, a participar nas decisões e a governar junto com o vice João Paulo. Só conseguiram provar, mais uma vez, que não sabem governar. Já havia ficado claro com João da Sapataria, mas a história tratou de colocar outro João no caminho, para eles deixarem isso mais claro ainda. Não sabem governar.

Com um discurso vencido, voltam-se agora para fazer o que fazem de melhor: zoada.

Esta oposição precisa, urgentemente, fazer uma reflexão, caso queira mesmo ser um governo sério um dia. É desagregadora, não inclusiva. Forte para gritar e acusar, fraca para governar e para oferecer soluções. Os meios que poderiam ser usados para mostrar superioridade política e até moral, são usados de forma infantil e grosseira, apenas para atacar opositores e suas famílias. Vivem enclausurados na fixação por perseguir Ilário Marques e, assim, vão lhe dando de bandeja um mandato atrás do outro. E Ilário acha ruim? Claro que não. Na arte da guerra, não se avisa ao inimigo quando ele está agindo de forma tola.

EDITORIAL


Site desenvolvido por Agência Clig