Foto: Clodomiro Esteves, publicada por @natgeobrasil.

Não são raras as vezes em que precisamos começar tudo de novo.

Há situações que nos levam aos limites das nossas forças e que nos obrigam à transformação. Chame de aperfeiçoamento, se quiser. O fato é que esta transformação pode ser tão profunda e nos modificar de tal forma que, deste ponto em diante, já não somos mais a mesma pessoa.

Daí há quem se surpreenda ao nos encontrar diferentes do que éramos há apenas um ano ou menos. Talvez se apressem em nos julgar, supondo uma coisa ou outra. Mas será que conhecem realmente os motivos pelos quais já não somos mais o que éramos antes?

Algumas situações, circunstâncias, eventos e acontecimentos inesperados – e até pessoas! – podem, de verdade, nos destruir. Não somos super-homens ou super-mulheres. Somos humanos, e só. Estamos sujeitos a tantas desventuras!

Uma doença pode nos esmigalhar. A morte de um ente querido pode mudar tudo. Um amor não correspondido pode nos esvaziar. Uma injustiça, um ato de violência, um desastre natural ou um acidente podem nos forçar a áreas de resistência inimagináveis.

De um segundo para outro, a vida pode mudar. E nós também. Num momento, somos poderosos, estamos por cima, planando sobre tudo e sobre todos. Estamos em plenitude. Em seguida podemos estar fracos, frágeis, quebrados, humilhados, apequenados e numa condição servil.

Gosto de uma passagem bíblica que expõe isto com perfeição. Está em Eclesiastes 9:11. Veja: “Os velozes nem sempre vencem a corrida, e nem sempre os fortes vencem a batalha; os sábios nem sempre têm alimento, os inteligentes nem sempre têm riquezas, os que têm conhecimento nem sempre têm sucesso; porque o tempo e o imprevisto sobrevêm a todos eles.”

Aí está: o “tempo e o imprevisto” podem mudar tudo.

Se você está agora mesmo em um período de provação, enfrentando uma situação que lhe destruiu, reduzido a meros fragmentos do que era antes; se você sabe que já não é mais o mesmo, que a vida não foi gentil e lhe trouxe um terrível sofrimento que resultou em sua completa desfiguração; se você era, antes, como uma árvore frondosa, com raízes bem fincadas, mas foi cortada pelo tronco e, depois, teve suas raízes envelhecidas sob o solo, acalme-se por um momento, porque há boas notícias para você:  COMEÇAR DE NOVO E SER MELHOR DO QUE ANTES SEMPRE É POSSÍVEL!

Esta também é uma mensagem poderosa que pode ser encontrada na Bíblia. Está lá em Jó 14:7-9. Veja: Pois até mesmo para uma árvore há esperança. Se ela for cortada, brotará novamente e seus raminhos continuarão a crescer. Caso sua raiz envelheça na terra e seu toco morra no solo, ao cheiro da água brotará, e produzirá ramos, como se fosse uma planta nova.”

Esta passagem é linda, não é? O contexto dela é ainda mais legal. Aqui, Jó está falando acerca da sua vida, das gigantescas provações que ele estava enfrentando, da brevidade da sua existência e de como ele, qual humano que é, não tinha controle sobre a morte. Ele diz que para uma árvore há esperança de renascimento, de sair de uma condição desolada e se transformar numa “planta nova”. Mas para ele o que há? “O homem morre e não pode fazer nada”, diz mais à frente (versículo 10). Em seguida a esta que parece ser uma mensagem fatalista, Jó faz uma extraordinária revelação: nem a morte é o fim de tudo!

“Quando um homem morre, pode ele viver novamente?”, pergunta Jó (versículo 14). E ele mesmo responde, referindo-se a Deus: “Tu chamarás e eu te responderei. Terás saudades do trabalho das tuas mãos.” (versículo 14)

Note que impressionante! Jó diz que Deus teria ‘saudade’ de um homem fiel e bom e o chamaria de volta da morte para a vida. Não vou me estender aqui em conceitos teológicos sobre como isto vai acontecer. Mas apenas apontar que aquilo que Jó disse se parece muito com o que Jesus prometeu. Veja o que Cristo disse: “Vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a voz dele e sairão.” (João 5:28,29.)

O que quero ressaltar com isto é que, para quem tem fé, nem a morte representa um caminho sem volta. 

Se é possível, portanto, uma árvore cortada em seu tronco, cujas raízes envelheceram na terra, voltar a crescer e se tornar uma “planta nova”; e mais ainda, se é possível uma pessoa voltar até da morte – e a mensagem de Jesus é que isto vai acontecer -, então aquilo em que a vida nos transformou através de uma provação, o estado de debilidade, esmigalhamento, destruição mesmo, no qual talvez estejamos, também pode ser superado!

Nós podemos ser “planta nova”, desde que não desistamos de nós mesmos, ainda que todos os outros ao nosso redor tenham feito isso. Podemos ‘brotar novamente’ e ser ainda melhores do que antes. Nenhuma situação na vida pode modificar essa verdade.

E se foram nossas próprias ações que nos levaram ao lugar no qual estamos agora; se foram nossos erros, nossas decisões equivocadas e escolhas ruins, ou, quem sabe, nossos pecados – palavra já fora de moda -, então devemos saber que, não importa quão longe tenhamos ido, o caminho de volta está sempre ali. A saída de um beco sem saída está atrás. Basta dar meia volta e fazer o retorno.

É isso que eu queria compartilhar.

SALMO, CAPÍTULO 1. (nwt-T, 2013.)

Autor: Gooldemberg Saraiva


Site desenvolvido por Agência Clig