Apenas 31 pessoas vacinadas em Quixadá em 4 dias; Quixeramobim vacinou 306 no mesmo período.

Todo quixadaense que ama sua terra de verdade deseja que a gestão do médico Ricardo Silveira dê certo, principalmente no combate ao coronavírus. O que está envolvido é a vida, a nossa e a de quem amamos. A pandemia de Covid-19 expõe todos à loteria da morte. Quanto mais eficiente a gestão pública for na batalha contra este inimigo de todos, mais chances teremos de sair desta crise com menos dor.

Mas o que está acontecendo em Quixadá em relação à vacinação é muito preocupante. Queremos que a administração pública seja eficiente no processo de vacinação, mas é preciso reconhecer: está longe de sê-lo!

Não estamos falando aqui sobre “seringa de vento”, embora o episódio tenha nos envergonhado pela repercussão que teve em todo o Brasil. Também não estamos falando sobre a apresentação atrasada de um plano de vacinação. Ou sequer das reclamações dos profissionais de saúde – de vários deles – de que ainda não foram vacinados. A preocupação que trazemos é sobre a baixa capacidade da gestão Ricardo Silveira para, tão somente, vacinar.

É inacreditável a lentidão com que as vacinas tem sido aplicadas. Nos últimos 4 dias, apenas para se ter uma ideia, somente 31 pessoas foram vacinadas. Quixeramobim vacinou 306 pessoas no mesmo período, número quase 10 vezes maior que o de Quixadá.

Considerando apenas os últimos 4 dias, Quixadá tem uma média diária de sete pessoas vacinadas. Nesse ritmo, pode levar até 4 anos para que o município vacine apenas o conjunto dos grupos prioritários, composto por 11 mil pessoas, antes de começar a vacinação aberta para toda a população.

A situação coloca os quixadaenses em uma área de fragilidade ainda maior diante da pandemia, e obviamente demanda intervenção das autoridades do Estado porque simplesmente não pode continuar assim. É responsabilidade da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa) garantir que os quixadaenses tenham um processo de vacinação eficiente, seguro, digno de credibilidade. O Ministério Público do Ceará (MPCE) também pode ajudar, primeiro, dando sugestões sobre o que fazer e como fazer, conforme a legislação que conhece bem. Segundo, por fiscalizar e explicar a todos o que está acontecendo. Não é possível que vacinar 31 pessoas em 4 dias seja considerado normal em um município como Quixadá.


Site desenvolvido por Agência Clig