Estrutura da feira do feijão em Quixadá.

A Prefeitura de Quixadá inaugurou, na manhã desta terça-feira, 05, uma estrutura de apoio aos pequenos feirantes que comercializam feijão no Centro da cidade. É uma obra modesta, simbólica, cujo objetivo é mesmo dar suporte àqueles que trabalham ali já por muitos anos, ajudando a fortalecer e dar maior organização à bonita tradição. Faz parte, também, de um conjunto maior de ações que, com o tempo, modificarão completamente algumas das áreas mais movimentadas da cidade.

Como era de se esperar, opositores políticos do prefeito Ilário Marques (PT), ligados ao médico Ricardo Silveira (PMDB) – derrotado na eleição de 2016 -, correram para falar mal da ação. E, como não raro costumam fazer, descreveram a pequena estrutura com desprezo e mentiram sobre seu valor. Bom mesmo para eles, talvez, foi na época do João da Sapataria, já que nunca pediram que qualquer ação fosse feita ali em prol dos feirantes. Será que essa gente não percebe que o povo nota essas atitudes?

As pessoas já sabem que, em Quixadá, pelo menos duas coisas são uma certeza para cada manhã: o nascer do sol e os inconformados dirigentes do PMDB local falarem mal da atual gestão. Todo o mundo sabe o que os incomoda de verdade. Não é o preço da obra, não é a obra em si que os incomoda. Antes, é o fato dela estar sendo feita por Ilário Marques, escolhido pela população pela quarta vez para fazer aquilo que está cada vez mais difícil deles conseguirem: governar o município.

Segundo informaram os dirigentes do PMDB, a estrutura da feira do feijão custou QUASE 30 mil reais. Pelo que disseram, parece até que a obra custou 29 mil novecentos e pouco. É impressionante a tentativa de passar uma imagem ruim da ação do município! Usar a artimanha de arredondar valores para que eles pareçam maiores, além de revelar um certo espírito desesperado de opositor, é também um recurso de desonestidade jornalística, produzida para atender ao desejo de falar mal de qualquer coisa que a gestão municipal faça.

A obra, na verdade, custou R$ 25.246,02 aos cofres públicos do município, e ela compreende matéria e mão de obra, além dos encargos e despesas diretas e indiretas que incidem sobre obras públicas. Veja o detalhamento das despesas a seguir:

SÓ RESTA MENOSPREZAR

Essa atitude de menosprezo dos dirigentes do PMDB por aquilo que tem sido feito na cidade não dá voto ao médico Ricardo Silveira, que tem tentado usar a Funasa como vitrine para se gabaritar como candidato a deputado estadual. Há outras formas mais republicanas e inteligentes de conquistar a preferência popular, mas esses críticos rendidos à fixação em Ilário ainda não descobriram. Portanto, aos que nada fazem, resta menosprezar as ações dos que fazem.


Site desenvolvido por Agência Clig