Quixadaense acusado de extorquir mais de 400 mulheres é preso pela Polícia Civil. (Foto: meramente ilustrativa.)

O quixadaense Mateus Fernandes Alves, 27 anos, um técnico em informática, foi preso pela Polícia Civil, acusado de extorquir mais de 400 mulheres em diversas cidades. Hoje, a Polícia Civil explicou em coletiva de imprensa que Mateus usava engenharia social para praticar os crimes. Ele entrava em contato com as vítimas por meio de perfis falsos e dizia que havia sido contratado por outra pessoa para expor fotos íntimas das mulheres. Ele ameaçava divulgar essas fotos nas redes sociais e induzia as vítimas ao desespero.

Na conversa com as mulheres, Mateus afirmava que estava ‘gostando delas’ e que, se elas fizessem um favor a ele, ele não divulgaria as fotos que supostamente tinha em mãos. O favor que Mateus pedia era que as vítimas fizessem uma chamada de vídeo nuas. Se elas o atendessem, ele não faria o suposto serviço para o qual dizia ter sido contratado. Porém, de posse dos vídeos enviados em desespero com as imagens das vítimas nuas, Mateus começava a ameaçar expor essas imagens e, então, pedia dinheiro para não fazê-lo.

De acordo com a Polícia Civil, a investigação começou em novembro de 2021. Uma vítima registrou um Boletim de Ocorrência em Quixadá porque Mateus já a extorquia há cerca de um ano. Ela pagava a quantia de R$ 200 por mês para que ele não divulgasse as imagens. Desesperada, ela buscou a ajuda da Polícia Civil. A investigação durou oito meses e fechou o cerco em torno de Mateus, cuja identidade e métodos foram descobertos.

A Polícia Civil disse que Mateus é arrogante e se acha muito esperto. Ele utilizava cerca de oito contas bancárias para receber o dinheiro das vítimas, e havia se apropriado até mesmo dos dados de um senhor de mais de 80 anos, natural de Belo Horizonte, em Minas Gerais, para usar no esquema de extorsão. Pressionado pelos fatos descobertos pela polícia, acabou confessando os crimes. O quixadaense deve ser denunciado por extorsão, uso de identidade falsa e, provavelmente, lavagem de dinheiro. A polícia ainda analisa todos os crimes de que ele pode ser acusado.

SIGA O DQ NO INSTAGRAM

Site desenvolvido por Agência Clig