Moradores da Zona Rural de Quixadá cobram conclusão de poços abandonados pela Funasa.

Moradores da Zona Rural de Quixadá, no Sertão Central, estão cobrando a conclusão de poços profundos perfurados pela Fundação Nacional de Saúde na gestão do médico Ricardo Silveira e, depois, abandonados.

Dezenas deles foram perfurados, mas não houve instalação de nenhum equipamento e as comunidades continuam precisando da ajuda federal. As perfurações, segundo denunciam moradores locais, serviram apenas para palanque político.

O repórter Geybson Costa, da TV MB News, conversou com moradores indignados com a situação. O cabeleireiro Edileudo Silva, ouvido pela reportagem, lamentou a falsa expectativa criada pelo ex-superintendente da Funasa: “Vive abandonado. Antes não tivesse furado. Pelo menos nós não estaríamos esperando. Quem sabe um dia venha alguém e coloque ele pra funcionar.”

A agricultora Fábia Violeta, outra que esperou pela promessa do médico, comenta a decepção: “Se a gente não comprar uma carrada d’água a gente fica sem água.”

Outro agricultor, o Senhor Eli Queiroz, afirma que Ricardo Silveira furou dois poços na comunidade de Vila Rodrigues, mas nenhum funciona. “Aqui só tem poço cavado, mas funcionando não tem nenhum.”

Alex Freitas, agricultor, comenta indignado: “Só fizeram mesmo dizer que cavaram poços, mas de poço aqui não tem nada. O povo continua sofrido, comeram tempo, furaram o buraco, a coisa mais horrível do mundo. Precisamos pagar por uma carradinha d’água enquanto vieram milhões aí para poços profundos e não tem nada.”

Denúncia feita pelo jornalista Donizete Arruda, da rádio Plus FM, mostrou que o médico Ricardo Silveira está tendo sua gestão sobre a Funasa do Ceará investigada. De agosto de 2017 a setembro de 2019, ele teria produzido rombo de até R$ 19 milhões no órgão federal. Em março, o DQ também mostrou que processo de investigação interna na Funasa detectou irregularidades em mais de 100 poços profundos escavados na gestão do médico quixadaense. 

Assista à reportagem: 


Site desenvolvido por Agência Clig