Ilário e Rachel Marques, durante aniversário de 34 anos de casados, em maio de 2017.

A Deputada Estadual Rachel Marques e seu marido, o prefeito de Quixadá, Ilário Marques, foram vítimas de um ataque criminoso no Facebook contra sua honra e intimidade.

Tem circulado em aplicativos de comunicação prints de uma publicação no Facebook supostamente pertencente a um homem chamado Mário Anderson, residente no município de Quixeramobim. Na publicação atribuída a Anderson, Rachel e Ilário são atacados em sua vida privada.

Os ataques são desferidos contra o casamento dos dois e sua lealdade mútua, com o uso de termos de baixo calão e descrições de comportamentos obscenos.  Além disso, o suposto autor do material atribui comportamentos ilegais ao casal, concretizando, assim, crime de difamação e calúnia.

O Diário de Quixadá entrou em contato com Mário Anderson para indagar se ele reconhece a autoria da publicação. Mário negou a autoria e disse que seu perfil já havia sido utilizado antes contra o prefeito Ilário. Segundo ele, usaram um aplicativo para produzir conteúdo contra o prefeito quixadaense como se a autoria fosse dele. Ele diz ter registrado Boletim de Ocorrência e alertado as autoridades policiais. Também informou que na segunda-feira, 14, um advogado cuidará da situação. “Eu nem conheço Ilário, e aqui na minha cidade todos me conhecem, sabem que eu não me envolvo nesses assuntos políticos”, disse Mário Anderson.

Há, portanto, possibilidade de que o próprio Mário esteja sendo vítima de pessoas que utilizaram seu perfil no Facebook para produzir o conteúdo criminoso contra Ilário e Rachel.

Não é a primeira vez que atacam a vida privada do casal Marques. Em 2008, o jornal Diário do Nordeste publicou matéria informando que adversários políticos haviam difundido a acusação de que Rachel e Ilário estariam separados. Na época, o casal negou as alegações e continuam unidos. Em maio deste ano, os Marques comemoraram 34 anos de união.

O Diário de Quixadá ainda não recebeu resposta se Ilário e Rachel adotarão medidas judiciais em relação à publicação ofensiva.

CRIME MODERNO

Está se tornando cada vez mais frequente o ingresso de ações judiciais envolvendo crimes praticados em redes sociais, especialmente, Facebook, Instagram, e aplicativos como Whatsapp, entre outros. Na maioria dos casos, ações judiciais envolvendo crimes contra a honra, ou seja, crimes de calúnia, difamação e injúria, previstos nos artigos 138, 139 e 140 do Código Penal Brasileiro.


Site desenvolvido por Agência Clig