Aplicativo da Caixa deixa de funcionar e aglomerações na frente da agência em Quixadá voltam a aparecer.

A prefeitura de Quixadá conseguiu, nos meses anteriores, vencer a formação de perigosas aglomerações nas proximidades da agência da Caixa Econômica Federal, local considerado de intensa irradiação de infecções do coronavírus. Dentre as medidas adotadas esteve a completa interrupção do tráfego de veículos na rua, a instalação de tendas e a colocação de equipes da Secretaria de Desenvolvimento Social. Os funcionários ajudavam as pessoas na fila a acessarem o aplicativo da Caixa e a resolverem suas demandas com rapidez, sem precisarem sequer entrar na agência. Rapidamente as aglomerações foram dissipadas.

Mas na última semana aglomerações na frente da agência voltaram a ser vistas. É que, mesmo com todas as medidas da prefeitura mantidas, o aplicativo da Caixa tem apresentado problemas e as pessoas se veem obrigadas a permanecer tentando entrar na agência para resolver suas questões.

Além disso, a própria Caixa não tem colocado funcionários próprios na área externa para dar assistência que vise diminuir a necessidade das pessoas ficarem no local. A prefeitura de Quixadá, inclusive, já venceu uma ação judicial na qual pedia mais atitude do banco para proteger os cidadãos que se utilizam dos seus serviços para saque do auxílio emergencial.

Os números da crise sanitária em Quixadá são, atualmente, positivos. O município tem agora apenas 55 pessoas infectadas em isolamento domiciliar. A preocupação das autoridades municipais é de que, com as falhas da Caixa Econômica em prestar atendimento mais ágil, as aglomerações no centro, cujo comércio está autorizado a funcionar de acordo com as determinações da fase 2 do plano estadual de retomada da economia, voltem a ser pontos críticos de infecção, levando à necessidade de adoção de medidas mais severas novamente.


Site desenvolvido por Agência Clig