Um dos telefones de maior utilidade de qualquer município do interior cearense é o do hospital. Para a gestão administrativa da prefeitura de Boa Viagem, porém, esse meio de comunicação não era prioridade. Há pelo menos quatro meses o telefone do Hospital Municipal Casa de Saúde Adília Maria, principal unidade da cidade, não funcionava por falta de pagamento.

Inconformado com a dificuldade de se comunicar pelo telefone, um paciente e morador do município, Ernandes Sousa Brito, resolveu pagar o débito do hospital. O agente sanitarista contou à imprensa que já não aguentava mais conviver com o problema.

“O hospital desde setembro não tem um telefone que funcione. Meu cunhado sofreu um acidente e não conseguimos ligar. Eu passei mal em janeiro e não consegui ligar para pedir socorro pro hospital porque o telefone não funcionava. Então achei um absurdo e resolvi procurar uma solução”, desabafou.

A linha telefônica havia sido cortada ainda no ano passado, devido a débitos não pagos pela gestão hospitalar anterior. Conforme Ernandes, o número é usado em casos de acionamento de ambulâncias.

Para solucionar o problema, Ernandes ligou para as operadores telefônicas que fornecem serviço para o hospital, indicou o CNPJ da unidade para atendente e foi informado que o motivo do problema era falta de pagamento.

“Perguntei se eu poderia pagar a conta e eles me responderam que sim. Eram duas contas atrasadas, uma de setembro, no valor de R$ 49,18, e outra de dezembro, no valor de R$ 19,95. Pedi então que me enviasse os boletos por e-mail que eu iria pagar”, relatou.

Após receber os boletos, Ernandes efetuou o pagamento e resolveu testar se tudo estava funcionando normalmente. “A atendente me falou que quando eu pagasse demoraria até 24h para que o telefone fosse liberado. Mas não deu uma hora direito e o número já estava funcionando normalmente”, contou.

Outros débitos

Assim como a comunicação do hospital, o telefone da Guarda Municipal também está passando pela situação. De acordo com Ernandes, algumas pessoas necessitam ligar para unidade com urgência, mas o telefone se encontra na mesma situação.

“A Guarda está trabalhando junto à Polícia. Com isso, quem precisa dela tem que ligar para o 190, para que eles transfiram para a Polícia e de lá transfiram para a Guarda Municipal. É um verdadeiro absurdo”, reclama o morador.

Outros órgãos públicos da cidade, como o departamento de trânsito, também estão com o telefone cortado. (informações do Tribuna do Ceará)

Site desenvolvido por Agência Clig