Camilo proíbe circulação nas ruas depois de 22 horas até o dia 28 de fevereiro.

O governador Camilo Santana (PT) anunciou que, a partir desta quinta-feira (18), todo o estado vai ter um toque de recolher entre 22h e 5h, com exceção de profissionais de serviços essenciais. A medida vale até o próximo dia 28, com o objetivo de barrar o crescimento de Covid-19 no Ceará.

Confira as outras medidas anunciadas pelo governador:

> Suspensão das atividades presenciais em escolas e universidades públicas e particulares (a partir de sexta-feira);
> O comércio continua funcionando até 20h de segunda a sexta;
> Apenas serviços essenciais podem funcionar depois de 20h;
> Sábados e domingos, os restaurantes só podem funcionar até 15h;
> Sábados e domingos, todo o comércio, inclusive shoppings, só podem funcionar até 17h;
> Todos os espaços públicos do Ceará serão fechados diariamente a partir de 17h;
> Todo o serviço público (estadual e municipal) será remoto com exceção das atividades essenciais;
> Barreiras sanitárias continuam em Fortaleza (e haverá recomendação para cidades do interior nesta quinta-feira);
> Transporte intermunicipal funcionando com fiscalização reforçada.

Aumento da Covid-19:

O governador também comentou o aumento dos números de Covid-19 no estado, comparando o mês de setembro de 2020 (quando houve queda na curva) no estado. Sobre os leitos de UTI, Camilo citou que:

> No dia 19 de setembro, o estado tinha 49 pessoas em leitos de UTI;
> Já no dia 18 de janeiro deste ano, o número cresceu para 226 pessoas em UTI;
> Por fim, no dia 17 de fevereiro, o Ceará tinha 652 pessoas em UTI por conta da Covid-19.

Sobre as pessoas nos leitos de enfermaria, Camilo citou que o Ceará tinha:

> 470 pessoas no dia 19 de setembro;
> 558 em 15 de janeiro;
> 1026 pessoas em 17 de fevereiro.

Camilo também apresentou dados das UPAS. As unidades registraram:

> 3.628 pessoas com suspeita de Covid em setembro;
> 12.509 pessoas em janeiro;
> 10.909 em fevereiro.

Covid-19 no Ceará:

O número de mortes por Covid-19 voltou a crescer no Ceará desde dezembro de 2020, e acelerou em janeiro deste ano. Os casos da doença também aumentaram e a maior parte dos leitos de UTI está ocupada com pacientes com a doença. (Via G1/CE)


Site desenvolvido por Agência Clig