Tasso Jereissati (PSDB-CE).

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) guarda expectativas de que o mineiro Aécio Neves, seu correligionário, consiga ainda provar inocência diante das graves acusações que levaram ao seu afastamento do senado e da presidência nacional do partido. Para Tasso, não faria sentido Aécio, por exemplo, renunciar.

“A renúncia dele não faz sentido. Ele, por enquanto, não foi julgado nem nada. Ele quer provar a inocência dele e eu tenho expectativa que ele faça isso”, disse o cearense sobre Aécio.

Após acusar Aécio de pedir e receber propina da JBS, a Procuradoria-Geral da República pediu a prisão preventiva do tucano. O relator da Lava Jato no Supremo, ministro Edson Fachin, entendeu que, por ser parlamentar, ele só poderia ser preso em flagrante – diante disso, decidiu apenas afastá-lo do cargo. Aécio não pode ir ao Senado e está proibido de manter contato com investigados e viajar para o exterior. Ainda assim, Fachin deixou claro que, pelas provas, o caso do tucano era de  prisão.

O senador tucano Aécio Neves em sua casa na quinta-feira. Por pouco ele não foi preso (Foto: Jorge William/Agência O Globo)

Mesmo com a Lava Jato em curso e sete inquéritos nas costas (dois da delação de Delcídio e cinco da Odebrecht), Aécio manteve a prática de buscar propina, um claro sinal de falta de medo da lei. Para o ministro Fachin, do STF, a prisão de Aécio seria fundamental para a manutenção da ordem pública e para a segurança da instrução criminal. O senador mineiro é, portanto, considerado pela Justiça como um elemento perigoso. Tasso, porém, tem expectativa de que seu companheiro se prove inocente.

Além disso, o senador cearense voltou a afirmar, durante visita a São Paulo nesta quinta-feira (25) que o PSDB manterá apoio a  Michel Temer (PMDB). O presidente é investigado, por determinação do STF, pelos crimes de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa. 


Site desenvolvido por Agência Clig